Informe Chapada

Informe Chapada


Com feijão e leite bem mais caros, custo de vida das famílias de baixa renda volta a subir, em julho

05.08.2016

Os brasileiros mais pobres voltaram a sentir no bolso o peso da inflação.

Em julho, o custo de vida da população de baixa renda aumentou 0,34 por cento.

A pesquisa foi feita pela Fundação Getúlio Vargas, com base nos produtos e serviços essenciais e mais consumidos pelas famílias que recebem até duas vezes e meia o valor do salário mínimo.

No mês passado, houve avanço em quase todas as classes de despesas. Ou seja, os gastos com: saúde, alimentação, vestuário, educação e as chamadas despesas diversas aumentaram.

As únicas reduções ficaram por conta dos grupos transporte e comunicação. Enquanto os custos com habitação estacionaram.

O vilão da alta do custo de vida foi, de novo, o feijão. Isso porque o carioca ficou 21 por cento mais caro. E o preto subiu 27 por cento.

Destaque negativo, ainda, para o aumento do leite, puxado pelo período de entressafra, no campo, e pelo avanço das despesas dos pecuaristas, já que o milho usado como ração está bem mais caro.

Já entre os produtos e serviços que ficaram mais baratos, chamaram a atenção as quedas da batata, da cebola, do mamão e da conta de luz.

Comentários


Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.